Repasse da Câmara permite à Santa Casa ter usina de oxigênio

Um investimento de R$ 270 mil vai possibilitar que a Santa Casa de Itararé tenha sua própria produção de oxigênio medicinal. O recurso tem origem em parte do duodécimo (despesas de custeio) economizado pelo Legislativo e devolvido à Prefeitura.
Já em 2017 a Câmara direcionou R$ 700 mil ao hospital. Este valor foi pelo menos três vezes superior à média de devoluções de legislaturas passadas.
A instalação da usina de oxigênio vai proporcionar economia de R$ 14 mil/mês à entidade, que deixa de adquirir o produto de terceiros. Além disso, trará à Santa Casa receita adicional mensal de aproximadamente R$ 9 mil, valor que a Prefeitura gasta hoje com a utilização do produto.
Considerando estes números, em um ano o investimento estará pago.
PARA ENTENDER A USINA DE OXIGÊNIO
O oxigênio utilizado nos hospitais não pode ser retirado diretamente da atmosfera. Ele precisa ser separado de outros gases, como o nitrogênio, e deve ser comprimido em cilindros, a uma pressão ideal. Assim, a produção de oxigênio medicinal segue técnicas específicas para que, ao final, o gás esteja em condições de uso hospitalar.
O oxigênio produzido em uma usina é apropriado para uso em enfermarias, apartamentos, pronto-socorros, UTI’s e centros cirúrgicos.

Publicado em 5/06/2018